Galeria Padaria Águas Furtadas (+351 925775475 - Rede móvel nacional): Segunda a domingo das 10h às 19h | Pop-Up Gallery Cor Própria (CC Bombarda, Loja 15) e Loja Almada 13 (223216002 - Rede fixa nacional): Segunda a sábado das 10h às 19h. Visita-nos!
  • LIVRO COMO FAZER AMOR COM UM NEGRO SEM SE CANSAR ANTIGONA

LIVRO COMO FAZER AMOR COM UM NEGRO SEM SE CANSAR ANTIGONA

16,20 €   18,00 €
IVA incluído

1 unidades em stock | SKU: ALCFACUN

Saldos Livros. Válido de 10 de jan. 2023 às 0:00 até 10 de fev. 2023 às 23:30


Montreal, um Verão escaldante nos anos 70. Dois negros sem tostão habitam um quarto exíguo: Cota – aspirante a escritor à la Bukowski e Miller, que, armado com uma Remington 22, quer mandar James Baldwin arrumar as botas – e Bouba, fanático por Coltrane, eremita que vive refastelado no divã a ler Freud e o Alcorão, e que ressona tão alto como o trompete de Miles Davis. Os dois levam uma alegre vida boémia de sexo e jazz e, em nome da desforra pela colonização, travam a luta racial na horizontal, assombrados pelo portento sexual do prédio – o Belzebu do Andar de Cima –, que ameaça desmoronar-lhes o tecto.

Brilhante e provocador, traduzido em várias línguas, Como Fazer Amor com um Negro sem se Cansar (1985) é o romance de estreia de Dany Laferrière – em cujas páginas assistimos também ao nascimento de um escritor –, uma sátira feroz aos estereótipos e clichés racistas e às relações raciais na América do Norte. Explodiu como uma bomba no mundo francófono, consagrando um autor que continua a destilar irreverência e humor.

«Uma provocação astuta e incendiária sobre as relações inter-raciais que se tornou um succès de scandale.» Guardian

«Um livro em que o racismo não é sancionado, mas sobretudo instrumentalizado e alvo da ironia das personagens.» Deutschlandfunk Kultur

«Um dos livros mais divertidos, descontraídos e com mais jazz do ano [2017], um ataque frontal a todos os que gostam do conforto de dar temas por encerrados. O romance de Laferrière declara guerra a uma percepção que não reconhece os indivíduos como tais, mas os vê como membros de uma "espécie".» Insa Wilke, Süddeutsche Zeitung

«A irreverência de Laferrière para com as vacas sagradas não resulta de um rude desejo de ofender. Faz parte da estratégia de um homem que se alimenta tanto da sua inquietação como da sua vivacidade para se despojar de todas as ilusões – as que confortam e as que desconcertam.» James Campbell, Times Literary Supplement

×